Escolha uma Página

Um pouco de big data para pequenos e médios negócios do interior

Na mesma intensidade que a inteligência artificial evolui, aumenta também a nossa capacidade de obter informações estratégicas a partir de analises computacionais de dados nem sempre tão facilmente compreensíveis por analistas naturais, ou seja, por nós seres humanos.

Estamos falando de big data.

E mesmo sendo dispensável, vou insistir: quanto mais conhecemos o nosso mercado, tanto mais podemos multiplicar o volume de vendas com um menor esforço de recursos humanos, treinamentos, promoções de venda, marketing e propaganda.

Bom, mas antes de aprofundar, permita me apresentar. Meu nome é Marcos Túlio, sou sócio e coordenador de inovação e empreendedorismo na Systa Marketing e Tecnologia. Gestor de sistemas de informação, sou pós-graduado em marketing, gestão de pessoas e liderança coach.

Inaugurando este blog, quero trocar experiências reais de marketing e tecnologia aplicadas em pequenos e médios negócios locais. E embora tenha trabalhado a maior parte da vida em grandes centros, eu confesso: estou apaixonado pelo interior.

É que o interior do Brasil sofre de um enorme preconceito e nestes últimos três anos pude eu mesmo vivenciar e reconhecer no interior, um mercado em evolução e que à medida que qualificarmos a mentalidade de empreendedores e consumidores, a tendência é crescer. Isso mesmo, crescer.

E para abrir a discussão, ofereço o resultado de uma análise de dados realizada pela Systa, em Santa Maria da Vitória e São Félix do Coribe, aqui na Bahia. Desde 2017, sob o despertar da Consultoria Estratégias Galvão, a Systa alimenta um banco de dados nacional de pessoas jurídicas.

Esse banco de dados, inicialmente pensado para facilitar análises de mercado na redação de planos estratégicos, conquistou abordagens, possibilitando aos nossos clientes identificar novas oportunidades de negócio e, agora, até mesmo entender melhor o futuro da atividade empresarial em nossa região.

Os dados apresentados não incluem atualizações desse trimestre, ainda assim nos permite desenhar o seguinte cenário: juntas, Santa Maria da Vitória e São Félix do Coribe têm registradas 6.898 pessoas jurídicas, mas, ativas, somente 3.550, ou seja, 51% das empresas registradas estão inativas.

Agora vamos aprofundar nas empresas ativas. 92% das empresas ativas de Santa Maria da Vitória são MEI – Micro Empreendedores Individuais. Em São Félix do Coribe, 94%. Bem analisando este cenário, já não está na hora de investirmos em produtos e serviços destinados a esse novo empresário?

Os comércios varejistas de alimentação, como minimercados, mercearias e armazéns, bem como de vestuário e acessórios lideram em inscrições MEI, mas outros inclusos no top 10, ou seja, 42% dos Micro Empreendedores Individuais também chamam a atenção.

Em São Félix do Coribe, a travessia da ponte não modifica as quatro primeiras posições, mas, atividades médicas cedem lugar a atividades políticas, cabeleireiros a lanchonetes, e artigos para cama mesa e banho e açougues surpreendem a lista.

É claro que esses números suscitam outras discussões, como a vocação comercial dos empreendedores de cada cidade e a inegável utilidade do MEI no ideal da elisão fiscal. Mas, para os profissionais de tecnologia da informação, marqueteiros e administradores de plantão ressalta o valor do big data.

E para não sustentar a impressão de que big data trata apenas de estatísticas, devo complementar este artigo compartilhando com os amigos o quanto esta promissora tecnologia pode ser importante para alguns clientes da Systa.

Há dois anos tivemos a honra de desenvolver para a BRAZPORTAM, um catálogo on-line com o mais variado e mais criativo portfólio de artefatos de cimento, o qual recomendo que acessem no endereço eletrônico www.brazportam.com.br.

Agora estamos desenvolvendo um catálogo semelhante ao recém-inaugurado Lojão das Clínicas, uma franquia regional de venda de insumos, instrumentos e equipamentos para clínicas médicas, ondontológicas e laboratórios de análises, dentre outras do segmento.

Poderia elencar uma dezena de outros projetos de igual valor, mas me chama a atenção a abertura e crença desses dois empresários nas estratégias de marketing tecnológico e me pergunto o quanto é relevante para suas estratégias comerciais conhecer de perto o segmento que atuam.

No caso específico do Lojão das Clínicas, imagine o quanto é importante saber quantas clínicas médicas, odontológicas e laboratórios de análises têm sua região comercial. Melhor, sabem o endereço para correspondência e telefones para vendas por telefone.

Segundo nosso banco de dados, a Bahia tem 13.366 empresas dos segmentos médico ambulatorial, laboratorial clínico, laboratorial anatômico e de odontologia. Mas informação mais importante é outra: onde estão os 10 maiores consumidores mais próximos de mim?

Também poderia o Lojão das Clínicas saber onde estão seus principais concorrentes, enfim, a lista de possibilidades é extensa e acredito, quanto mais nos envolvemos com o tema, muito mais passamos a enxergar quão relevante é o big data, mesmo para pequenos e médios negócios do interior.

Abrir o chat
Podemos conversar. Estamos On-line!
Tudo bem? Sou o Marcos Túlio, posso ajudar?
Powered by